quarta-feira, 22 de abril de 2009

Minha Voz

A Minha Voz.
Jaí Antonio Strapazzon .

Lua de Mel

Ao que tudo indica, do casamento havido em 05 de outubro de 2008, a lua de mel, parece não ter sido, ou melhor não está sendo das melhores. Basta para isto que se observe o nível de descontentamento entre a população. Na verdade a festa foi grande, a expectativa de melhorias maior ainda, mas, o que se viu desde os primeiros momentos após a posse, foi a volta gradativa e seqüencial daqueles velhos figurantes da política municipal.
Já dizia um velho adágio : Se queres conhecer realmente uma pessoa, dê a ele um cargo de chefia. Aquele que tem realmente condições para tal encargo, age naturalmente, ou seja, é a mesma pessoa não importando o grau de conhecimento, a cultura, os diplomas, nem muito menos a importância do cargo que ocupa. Isto se chama procedimento normal.
Já outras pessoas, talvez menos preparadas para tais encargos, gostam de demonstrar suas habilidades através de atos ou ações as quais muitas das vezes acabam por humilhar, menosprezar, colocar-se por cima e de lá tentar resolver os problemas. Já fui funcionário público, e sei como funcionam as coisas, Infelizmente a maior propaganda, daqueles que concordam com a privatização dos serviços públicos, é o modo como são tratadas as pessoas nos serviços prestados pelo estado.
Outro dia, passando pelo pátio da Prefeitura, no estacionamento deparei com um enorme espaço vazio, apenas dois carros. Fui informado de que aquele espaço era reservado para os carros “oficiais”, opa, não entendi, carros oficiais? Como é que sabe se o carro é oficial ou se é apenas soldado raso? Bobagens a parte, na verdade aquele era o lugar de estacionamento para os “senhores” secretários, diretores, adjuntos, sub-adjuntos. Daí, entendi os tais oficiais são os donos dos carros.
É comum na iniciativa privada, no pátio de uma empresa, uma multinacional existir o estacionamento privativo para os diretores, afinal aquele espaço é particular, pertence ao dono, ao gerente. Mas, no serviço público, manter espaço para meia dúzia, nada mais é do que demonstração de prepotência. Que o carro destinado ao transporte do prefeito tenha seu lugar, vá lá, mas daí a querer impor uma seleção, é besteira das grandes. Nunca esquecendo: Quem coloca o político no poder é o povo, portanto o patrão de toda esta gente somos NOS.
Continuo no aguardo, vamos ou não vamos reunir a executiva do PDT, para dar um choque de gestão? Vamos ou não vamos sair do marasmo e encarar a realidade ou vamos continuar atrás da moita só para não perder o cargo. Ou vocês acham que está certo o partido do vice prefeito ter 10 cargos, enquanto os pára-quedistas têm mais de 50. Quem sabe você também concorde que os filiados do PDT, tenham que passar pelo crivo do presidente do PT, enquanto outros que inclusive fizeram campanha contra, empurrem goela abaixo os seus protegidos. Isto tem que acabar, isto vai acabar. Tem muitas gente boa, querendo trabalhar, tem muito chinelão dando ordens.

Um comentário:

Luís Adriano disse...

Nada do que foi escrito me causa surpresa!! e por que será?

Talvez seja porque eu conheço os atuais donos do poder!

Talvez seja porque eu ja conheça os discurso do antes e depois, do tapinha nas costas, do como você é "importante" para carregar a nossa bandeira, para fazer aquilo que nos dissemos que você deve fazer, porque "nós" somos os melhores, os mais inteligentes, os mais preparados enfim toda aquela baboseira de gente mediocre.

Por isso eu digo, a população trocou 6 por meia duzia, a população não votou em um candidato pelas suas propostas, ela votou contra uma pessoa.

E o resultado é esse marasmo, monotonia, estupidez, falta de compromisso politico, falta de lealdade, Ah e acima de tudo ELLES esqueceram da PALAVRA !

Em fim, é so aguardar a cenas do proximo capitulo da novela " não vale apena ver de novo"