segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Uma..

Uma guerra diária.

Houvesse acontecido um desastre aéreo, uma desabamento, ou outra tragédia qualquer, e o Brasil estaria agora de luto. Autoridades estariam debatendo causas, efeitos, cabeças rolando, dinheiro sendo oferecido a rodo. Mas não, as cinqüenta e oito mortes que aconteceram foram apenas e tão simplesmente saldo do feriadão de Natal.

Triste realidade, e o pior é que as estatísticas apontam para o dia vinte e cinco de dezembro, como o dia em que aconteceram mais homicídios. Das cinqüenta e oito mortes havidas neste “feriadão”, trinta e quatro foram homicídios, e vinte e quatro vidas foram ceifadas pelo transito, pela bebedeira, pela irresponsabilidade, pelas falta de manutenção das estradas.

Já deveríamos ter nos acostumados, porque todo dia é dia de matar ou morrer, então que diferença faz, um a mais ou um a menos, que diferença faz se quem vai chorar a perda do pai, da mãe, dos filhos ou da família inteira, são os responsáveis por entregar os corpos novamente a terra. Acredito sinceramente que ao invés de o governo ter oferecido aquela palhaçada do estatuto do desarmamento, deveria ter oferecido um determinado valor para que os irresponsáveis, os inaptos, os bêbados, os assassinos do trânsito entregassem seus carros, e suas carteiras de motoristas, pelo menos assim pode ser que tivessem sido evitadas tantas mortes.

Mas, parece que para alguns, o que vale são papéis, são valores, são multas. Acreditam piamente que ter um pedaço de papel no bolso, com o timbre do governo do estado, pelo qual pagaram uma fortuna, os habilita sair matando, atropelando, e morrendo. Muitos, não terminam sequer de pagar o financiamento pelo documento oficial que os transforma em potenciais bestas humanas.

Já escrevi anteriormente que existe uma grande diferença em estar “habilitado, ter “carteira de motorista”. Uma pessoa realmente habilitada, não tem nenhuma necessidade de possuir carteira, ele possui independentemente de cursos “frios” de habilitação, o raciocínio, o conhecimento e a prática do que é certo ou é errado. Ele tem noção pela própria natureza de que lugar de bêbado e exibicionista é dormindo debaixo de uma sombra, ou então pescando para passar a raiva que sente pelo mundo. Carteira qualquer um pode ter, já habilitação é para quem pode.

Triste Natal.

Ai a pergunta: De que valem tantas mensagens, de que valem tantos apelos, de que vale tanto consumismo, para festejar o aniversário do nosso salvador, se na essência nos verdadeiramente não sabemos o significado da data? O número de mortos neste primeiro feriadão superou as expectativas, mas, sempre haverá alguém que ao invés de para e refletir, pisará fundo no acelerador,fará cantar os pneus e dirá apenas: Até que foram poucos.

2 comentários:

Alda do Crítica disse...

Amigo, amigão, tchê de ontem e de sempre, passo para desejar um feliz ano novo para ti e tua família, com muita saúde, muita paz e muito dinheiro no bolso.
Que Deus continue te abençoando menino.

Beijos, abraços e minha eterna amizade.

Desde a Bélgica
Alda

EDUARDO POISL disse...

Para você,
Desejo o sonho realizado.
O amor esperado.
A esperança renovada.
Para você,
Desejo todas as cores desta vida.
Todas as alegrias que puder sorrir.
Todas as músicas que puder emocionar.

Para você neste novo ano,
Desejo que os amigos sejam mais cúmplices,
Que sua família esteja mais unida,
Que sua vida seja mais bem vivida.
Gostaria de lhe desejar tantas coisas...
Mas nada seria suficiente...

Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos.
Desejos grandes...
e que eles possam te mover a cada minuto,
ao rumo da sua FELICIDADE!!!

Abraços com todo meu carinho
FELIZ 2010