quinta-feira, 23 de julho de 2009

Reminicências III

Reminiscências. III
O carrinho abarrotado de laranjas, e bergamotas e lá seguíamos, eu e meu irmão para a beira do campo de futebol. Era a maneira de arrumarmos os trocados para a noite ir ao cinema. Naquela época era tudo mais fácil, bastava atravessar a linha férrea entrar na Rua Marechal Deodoro seguir até o fim e lá estávamos no Campo do Vera. Situava-se no espaço hoje compreendido entre a Rua Laurentino Juliano até as proximidades da Casa Primavera, no fim da Lindolfo Collor.
As disputas eram muito valorizadas não só nos embates entre as equipes de Sapucaia, como o Vera Cruz, O Sapucaiense, O Taurus, O Cial, o Botafogo, mas, também contra as equipes visitantes. Em jogos de clássicos como Vera Cruz e Sapucaiense as torcidas lotavam os barrancos em toda a volta do campo, e havia até pressão por este ou aquele craque, os irmãos Pavani, o Eri e o Medinho, o Carlos bom goleiro, assim como o Gena, o Wanda, o Bernardino, o Milton, o Renato o Lola enfim eram os expoentes da época no futebol de várzea.
Era gostoso ficar ali apreciando as jogadas vaiando as inúmeras erradas em bola, as defesas sensacionais do Carlos ou do Gena as entradas firmes do Eri Pavani que botava qualquer atacante no chão. Não raro, a partida tinha que ser interrompida, pois algum torcedor mais afoito, e embalado por uns tragos a mais inventava de tirar satisfações com o juiz e ai era aquele corre corre, dava gente subindo os barrancos, entrando pelas capoeiras para escapar da briga. Daí a pouco tudo estava normalizado, aparecia o jipe da brigada militar com o “seu João policia” os ânimos se acalmavam e a partida era reiniciada.
Nome feio valia qualquer um, valia xingar a mãe, a irmã, o pai a namorada a noiva aquele que fosse mais conhecido e que pudesse ofender ou chamar a atenção do agredido, às vezes acontecia do jogador estar numa jogada próxima do torcedor e ouvir o desaforo, largava da bola e saia no tapa isto quando conseguia pegar o cara, pois como o campo era um espaço aberto, sem cercas ou qualquer outro tipo de tranqueira o sujeito gritava o palavrão e deitava o cabelo.
Certa feita jogava o Vera Cruz e uma equipe de Esteio, o Maribondo Futebol Clube, o jogo estava empate em zero a zero só que aos quarenta e quatro minutos do segundo tempo, o juiz, que era esteiense deu pênalti a favor da equipe visitante, foi aquele sururu, empurra daqui, segura dali, o pobre do juiz dançava pior que minhoca em chão quente, por fim a turma do deixa disto conseguiu acalmar os ânimos e foram para a cobrança.
O Jogador dos Maribondos (Melão) parecia um touro acuado, suado resfolegando estava disposto a furar a rede e mandar com ela até o goleiro para o mato. Debaixo das traves o Carlos, meio agachado, braços abertos encarava serio o batedor. Soa o apito, o Melão distante quase dez metros da bola corre e bate forte, só que leva junto no bico da chuteira uns cocurutos de grama, e o seu grito de dor é apagado pelo da torcida vibrando com a sensacional defesa do Carlos. Final Vera Cruz Zero Maribondos também Zero. Soube-se mais tarde que Melão havia destroncado o pé.
Dos bons tempos só restam mesmo as lembranças, o campo do Vera Cruz foi aos poucos sendo tomado por casas, novas ruas foram abertas, prédios comerciais tomaram conta dos espaços e acabaram por encobrir totalmente os vestígios de uma época.E o mais incrível é que guardo até hoje, quase quarenta anos depois, velho e enferrujado o esqueleto do carrinho, meu companheiro de torcidas, e fonte dos muitos trocados para assistir os filmes no saudoso Cine Marabá.

2 comentários:

Alda do Crítica disse...

Ô meu amigo Jaí, teu relato é tão saudoso que me pegou de cheio. Aquele cine Marabá ainda existe?

Lembra-te que na quarta feira as mulheres entravam de graça? Pois eu depois dos 12 anos passei a entrar, mentia que tinha 14, ora essa. Só podiam entrar moçoilas com 14 anos. Coitada da minha mãe, as vezes não queria ir...eu chorava.
Lembro-me que o meu uniforme de escola era a melhor roupa que eu tinha e ia no cinema com ela, meia branca e sapato preto. kkkkkkkkk

Ali era o lugar para sonhar e como sonhei naquele cine Marabá. Como podia imaginar que um dia eu ia estar tão longe assim?

Grande abraço meu amigo.
Bjs
Alda

Indignado disse...

Oi amiga.
Obrigado pelo comentário.
Sou um saudosista, sabe? Masa, voltando ao tema, o Cine Marabá de tantas e tão boas lembranças, não existe mais. No lugar foi erguido uma "igreja" do Edir Macedo. Na época, fiz um alarde dos infernos, mas, não resolveu, eles tem dinheiro, eu so tenho idéias.
Um Abraço.